It takes a great deal of History to produce a little History

Sunday, August 02, 2015

Nota sobre uma moeda rara de IPSES

IPSES é uma das cecas que emitiram moeda local durante a época romana no território do actual sul de Portugal. O mapa seguinte identifica essas cecas.



O topónimo IPSES (com esta grafia ou na grafia equivalente IPSIIS) é apenas conhecido nesta forma específica através da sua escassa evidência numismática. O nome poderá ser corroborado num documento de difícil interpretação datado do final do período visigótico (finais séc. VII),conhecido por "Divisio Wambae", que assinala IPSA como um dos limites da diocese episcopal de OXONOBA.

A proposta da sua localização em Alvor deve-se a Teresa Júdice Gamito, que efectuou uma exploração muito limitada do ópido de"Alvor Velho", sítio com ocupação desde a Idade do Ferro até à conquista portuguesa.



Foram então descobertos no local dois numismas da série II (ver adiante).

Desde então surgiram outros exemplares da moeda local, permanecendo a obra de Alberto Gomes de 1998 o catálogo mais completo dos tipos conhecidos até à data.

Muito mais recentemente tornou-se possível fazer um primeiro ensaio da geografia da dispersão das emissões de IPSES, através de uma série dos seus exemplares bem localizados. É o que mostra o mapa seguinte.



A concentração de achados na zona de Alvor corrobora a localização de IPSES e associa-se a assemblagens numismáticas em que predominam tipos de Balsa e Ossonoba, que hoje se podem considerar muito tardios (da época de Augusto a finais do séc. II da nossa Era).

A dualidade do povoamento de IPSES entre um ópido da Idade do Ferro/Romano republicano e um centro hipodâmico de traça romana imperial foi também proposta por Teresa Júdice Gamito, de acordo com a imagem seguinte.



Com base em elementos da autora tive oportunidade de fazer um estudo arqueotopográfico do local, integrado numa evolução regressiva da ocupação entre o séc. XVII e a Antiguidade.
A súmula resultante corresponde à proposta de forma e funcionalidade urbana expressas na figura seguinte.



Em boa hora o artista Jorge Vidal, de Portimão, teve já há anos a ideia de produzir uma reconstituição idealizada da ocupação humana do sítio de Alvor em várias épocas.
As figuras seguintes correspondem à fase do apogeu romano de IPSES, numa magnífica versão gráfica ainda em desenvolvimento.






As Amoedações de IPSES

O estado de conhecimento sobre as emissões de IPSES pode sintetizar-se no quadro seguinte, onde se definem, três séries de emissões. Nas séries II e III, em chumbo, distinguem-se diversos tipos de unidades e tipos específicos de divisores formais (assinalados com .f)



Estas três fases integram-se no quadro geral das emissões locais de tipologia "peregrina" do sul da Lusitânia, quadro esse muito resumido na figura seguinte. Não é possível nesta nota abordar sequer as numerosas e importantes questões nele e por ele levantadas.




A nova moeda

Note-se que a série III de IPSES era conhecida até aqui apenas a partir de desenhos esquemáticos do catálogo de Alberto Gomes.
Esta série é considerada a mais tardia, com uma paginação e composição semelhante às de OSSONOBA, BALSA e BAESURIS nas suas últimas fases.

Porém há poucos dias surgiu um exemplar inédito do Tipo 1 da Série III de IPSES num catálogo de leilões"on-line" da prestigiada casa Pliego. Ele corresponde ao tipo IPS 02.01 de Gomes 1998. 

Trata-se da primeira atestação fotográfica conhecida deste tipo numismático, que justifica esta nota.

A figura seguinte compara o modelo de Gomes com o exemplar de Pliego, acrescentando uma transcrição preliminar deste último.



O exemplar apresenta sinais de grande usura, que eliminaram todas as arestas e acabamentos finos certamente existentes.

A paginação da moeda é a seguinte:

Anverso: Barco com proa à direita (e não à esquerda!) sobre topónimo IPSES dentro de grafila de pontos grossos, idealmente circular.

Reverso: Golfinho em salto à direita sobre arco.


A embarcação

O barco é uma galera muito estilizada com as estruturas da popa e sobretudo da proa muito sobredimensionadas relativamente à extensão do bordo de través, onde se situariam os remos que não são representados.
Estas deformações são típicas da iconografia naval numismática de toda a Antiguidade.

A popa eleva-se e arredonda-se à vante, num estilo bem característico. Originalmente o bordo livre seria mais longo e afilado, tendo desaparecido com a usura.
A figura seguinte ilustra os dois tipos principais de popas em embarcações romanas de casco linear.
O nosso caso corresponde ao tipo da esquerda.



A proa tem um castelo muito sobredimensionado na sua representação. São ainda visíveis duas cintas que corresponderão a duas cobertas do castelo e definem painéis na sua amurada exterior, também num estilo bem característico.

A coberta superior do castelo é suportada à ré por amuradas ou cornijas de bordo arciforme côncavo, num estilo amplamente documentado em fresco, escultura e moedas da República romana. As figuras seguintes exemplificam atestações dos primeiros tipos.




Há vestígios de um esporão mas não de um poste da proa, o que se poderia eventualmente dever ao limite do cunho (o desenho não coube totalmente na área disponível) ou mais provavelmente a um tipo real de embarcação sem poste sobredimensionado, como é o caso de modelos mais tardios do séc. II da nossa Era.

A elucidação pode estar no paralelo numismático mais similar ao modelo em estudo. Trata-se do tipo OSS 08.05 de Gomes 1998, da ceca de OSSONOBA, que representa o mesmo tipo de embarcação na mesma orientação.

Infelizmente este modelo também só é conhecido até hoje através do desenho esquemático de Alberto Gomes, reproduzido na figura seguinte.



O detalhe é no entanto suficiente para se conformar a presença do esporão e a ausência de um poste de proa sobreelevado, assim como da notoriedade volumétrica do castelo da proa.

Este conjunto de características ajusta-se muito bem ao único tipo de navio que possui tais características: uma liburna na sua versão do Alto-Imperial, sem a gaiola da fila superior de remadores.

A figura seguinte representa, segundo esta leitura, o tipo de embarcação real correspondente à imagem da moeda, nas suas proporções verdadeiras.



Há fortes indícios que o modelo de Gomes corresponda ao mesmo cunho do anverso, apesar da diferença no posicionamento relativo das letras do topónimo face ao navio. Sobre o cunho do reverso a identidade não parece ser tão evidente.


O Golfinho

A nova moeda apresenta o golfinho em bastante mau estado, mas com detalhes das barbatanas que enriquecem o modelo de Gomes e sobretudo com vestígios claros de um arco junto ao focinho do animal.

Esta representação de um arco sobre o qual o golfinho se apresenta a saltar já era conhecida doutros tipos de IPSES da série II. É o caso exemplificado na figura seguinte.




Bibliografia

As referências bibliográficas e créditos das imagens serão fornecidas pessoalmente aos interessados.

No comments:

Post a Comment