It takes a great deal of History to produce a little History

Sunday, December 03, 2006

COROGRAFIA I: PORTOS ROMANOS

Os portos de navegação são um dos elementos mais importantes e interessantes do povoamento humano da Antiguidade e constituem um tema recorrente nos estudos regionais.
A sua caracterização é, porém, frequentemente simplista e pouco informativa.
Como alternativa, abordo-os do ponto de vista da geografia humana clássica, que integra perfeitamente os aspectos físicos, económicos, técnicos e geopolíticos da navegação e dos seus assentamentos.
Considero que os portos podem ser melhor explicados a partir de uma nomenclatura factorial. Tendo uma natureza multidimensional, a sua caracterização pode decompor-se em factores (construções descritivas independentes), que se recombinam na descrição de sítios portuários concretos.
Apresento assim uma tipologia operativa que permite a avaliação de um amplo leque de locais e estruturas portuárias, baseada em sete eixos, ou dimensões, distintas:

I. Topologia geográfica de agregados portuários
II. Situação portuária, segundo os tipos de morfologia costeira
III. Funções do porto no sistema de navegação
IV. Valências e infra-estruturas do porto para a navegação
V. Hierarquia do lugar central onde se localiza (específica da Época Romana)
VI. Perfil de especialização das actividade utilizadoras
VII Classificação geopolítica básica dos portos romanos

Esta tipologia pretende ajustar-se aos exemplos conhecidos ou previsíveis na região de estudo (o Golfo de Cádiz), podendo servir como formulário de orientação da pesquisa, descrição e avaliação de estabelecimentos e posições portuárias.
Devido às restrições de edição, as tabelas são apresentadas como imagens.


I - Topologia geográfica de agregados portuários

Agrupamentos geográficos e funcionais de portos


II - Situação portuária, segundo os tipos de morfologia costeira

Enumeração das principais situações portuárias, relativos aos tipos de morfologia costeira existentes na área do Golfo de Cádis, tendo em conta a complexidade recursiva dos sistemas lagunares.

As situações podem ser exclusivas entre si (ex.: 1.1 e 1.2) ou constituir subcritérios inclusivos (ex.: 2.a e 2.b). A recursividade é indicada por (ver item).


III - Funções que o porto desempenha no sistema de navegação

Tipologia técnica dos portos


IV - Valências e infra-estruturas portuárias que oferece aos navegadores

Elementos valorizadores dos portos, do ponto de vista das profissões e interesses ligados á actividade da navegação


V - Hierarquia do lugar central onde se localiza (taxonomia específica da Época Romana)

Classificação dos portos segundo o tipo de assentamento em que se localizam



VI - Perfil de especialização. Nomenclatura de actividades

A combinação do peso local das actividades define o perfil de especialização de cada porto. A existência de portos altamente especializados numa actividade ou em que essa actividade tem um peso determinante permite atribuir-lhes uma designação própria.
A hierarquia taxonómica das actividades (aqui representada num sistema de classificação decimal) pode ser considerada em qualquer nível adequado. A lista abaixo constitui um ponto de partida que articula os sectores pré-industriais de actividade com as particularidades da economia romana e da sua arqueologia.


VII - Tipologia geopolítica elementar

Classificação portuárioa básica a considerar numa análise geopolítica


1 comment:

  1. O tipo III.6 deve ser eliminado. Corresponde a III.3.1.3

    ReplyDelete