It takes a great deal of History to produce a little History

Friday, November 14, 2008

Toponímia: Sintaxe e Semântica


Frases toponímicas

O estudo linguístico e terminológico da toponímia tem habitualmente uma abordagem lexicográfica, o que leva frequentemente a transmitir a ideia errada de que os topónimos são palavras.

Na realidade os topónimos são frases de uma gramática especializada. A toponímia exprime relações espaciais e sociais complexas, que ultrapassam em muito os campos da etimologia e etiologia dos termos.

Nas generalidade das línguas semíticas e indo-europeias as frases toponímicas são formadas genericamente por duas partes: um corónimo e uma designação, sendo esta constituída por um ou mais elementos designativos.

Qualquer das partes pode ser omissa e, segundo as morfologias específicas de cada língua, os elementos sintácticos podem surgir aglutinados na mesma palavra ou dar origem a verdadeiras frases.

Síntaxe genérica de uma frase toponímica:

topónimo:= corónimo + designação | corónimo | designação

designação:= elemento [ + elemento ...]


A figura seguinte é uma versão de um diagrama sintáxico das frases toponímicas em Português. As categorias sintácticas e semânticas são abordadas mais adiante.


Diagrama sintáxico das frases toponímicas em Português

Predicados semânticos

O domínio semântico da toponímica contemporânea portuguesa pode reduzir-se a um número limitado de predicados semânticos. Na corrente abordagem identificam-se oito predicados primários, que definem o nível inicial de uma hierarquia de predicados mais restritos.

Os topónimos são expressões condensadas, em que é frequente um dos termos principais (o corónimo ou a designação) serem omissos. Nas frases toponímicas os predicados são implícitos. No entanto, esses predicados podem ser explicitados a partir da forma sintáctica dos topónimos. A inclusão dos predicados converte a forma condensada do topónimo na sua forma por extenso.

Porém, o desdobramento dum topónimo numa sequência de predicados semânticos nem sempre é unívoco. Um topónimo com elementos ambivalentes pode produzir leituras semânticas múltiplas.

A Corónimos

  1. Lugares que são
    1. Por natureza física, humana, de uso animal ou de cobertura vegetal
    2. Por convenção sociojurídica: partição territorial ou formas de posse da terra
    3. Genéricos ou omissos

B Designações toponímicas

  1. Lugares onde existem
    1. Marcadores de paisagem
    2. Actividades e ocupações humanas
    3. Habitantes
  1. Lugares onde se passam eventos
    1. Singulares, reais ou fictícios
    2. Regulares ou periódicos
  2. Lugares que estão em estado, situação ou condição
    1. De apropriação: dedicação sobrenatural, posse e ocupação humana, sujeição jurídica
    2. De uso e qualidade: uso do solo, estado do lugar e propriedades avaliadoras
  3. Lugares que se situam face a outro lugar
    1. Como origem de um destino
    2. Como elemento Integrado ou localizado numa zona abrangente
    3. Como componente estrutural ou funcional de um lugar de habitat ou actividade mais complexo
    4. Na vizinhança de um lugar de referência
  4. Lugares que se chamam
    1. Por transferência toponímica
    2. Por existir um signo identificador
    3. Por convenção cultural
    4. Por tradição antiga
  5. Lugares que se individualizam relativamente a outros lugares homónimos
    1. Pela idade
    2. Pela posição geográfica
    3. Por título da entidade hagiológica


C Meta-designações retóricas

  1. Lugares que se parecem retoricamente. Aplicam-se a corónimos e a designações
Tabela A: Taxionomia semântica dos lugares geográficos em toponímia


Tabela B: Actividades e ocupações humanas




Tabela C: Tipos de referências a actividades e ocupações

No comments:

Post a Comment